A Associação Internacional de Radiodifusão (AIR) condenou de forma enfática, ontem, as iniciativas de diversos governos da América do Sul para controlar o trabalho dos meios de comunicação em seus países. A diretoria da AIR – que se reuniu em Buenos Aires para duas jornadas de debate sobre o estado da liberdade de expressão na região – afirmou estar “muito preocupada” com “certas legislações e regulamentações elaboradas por governos locais” com a desculpa de que há a necessidade de “democratizar os meios de comunicação” em seus países.

O debate da AIR concentrou-se no caso da Argentina, país no qual, segundo a associação, existe um “clima de intolerância com os meios de comunicação e jornalistas”. Também foi exposta uma grande preocupação com o confronto permanente entre o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e os meios de comunicação de seu país.

Nelson Belfort, presidente da Câmara Nacional de Radiodifusão da Venezuela denunciou que, nos últimos anos, o governo Chávez fechou cinco de suas dez emissoras de rádio. “Todo o procedimento foi ilegal”, disse. Para Marcel Granier, presidente da rede de TV venezuelana RCTV – que foi tirada do ar da rede aberta em 2007 – “falar em liberdade de expressão na Venezuela é falar do passado”. Para ele, o governo Chávez é uma “ditadura”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.