Regina adestrou suas cadelas.

Assim como as crianças, os cães também precisam aprender boas maneiras. O comportamento inadequado de alguns animais – como roer móveis e outros objetos, latir em excesso, fazer as necessidades pela casa, atacar as visitas e chorar durante a noite, atrapalhando o sono da família e dos vizinhos – vem fazendo com que muitos bichinhos sejam levados a centros de treinamento especializados.

Os locais funcionam como verdadeiras escolas, onde os cachorros aprendem a obedecer e respeitar seus adestradores e proprietários. ?Todo comportamento desagradável ao dono deve ser corrigido. Em trinta dias é possível ensinar os comandos básicos de obediência aos cães, através dos quais é possível solucionar grande parte dos problemas e evitar que os proprietários cheguem a pensar em se desfazer dos animais, procurando pessoas que queiram adotá-los?, comenta o adestrador da Academia de Treinamento K9 do Brasil, localizada em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, Valdenir Oliveira de Rezende. ?Nos centros de treinamento o objetivo é melhorar a relação entre seres humanos e animais?.

Quando nascem, os animais não possuem hábitos definidos e não têm parâmetros de comportamento. Dessa forma, na maioria das vezes os culpados pelo comportamento incorreto dos cães são os próprios donos. Segundo Valdenir, as pessoas, quando adquirem um bichinho de estimação, agem muito mais com a emoção do que com a razão, não sabendo impor limites aos cachorros e fazer com que os mesmos os respeitem e obedeçam. Com pena, muitos proprietários acabam sendo excessivamente tolerantes, não sabendo repreender o animal e dizer ?não? na hora certa.

?Por tudo isso, é necessário que os proprietários também passem por adestramento. Não adianta nada educar o animal sem que o dono também seja educado?, comenta. ?O excesso de carinho e atenção, ao contrário do que muita gente pensa, também pode ser prejudicial ao relacionamento entre homens e animais. A repreensão nunca deve ocorrer através de violência física, mas os proprietários devem aprender, por exemplo, a mudar o tom de voz no momento de dar um comando ao animal. Os cães são muito inteligentes, sendo capazes até de identificar expressões faciais. Eles sabem tirar proveito de um dono que não consegue impor limites?.

Mudanças bruscas

A falta de imposição de limites desde a infância é o principal motivo do mau comportamento dos cães. Porém, mudanças bruscas de rotina também podem fazer com que cães que sempre foram bem educados comecem a ter atitudes inadequadas. Entre as mudanças de rotina, podem ser citadas: convivência com novos proprietários, mudança de ambiente, nascimento de uma criança na família (quando pode começar a haver disputa por atenção), chegada de um novo animal (com o qual pode haver disputa de espaço), morte de alguém da família e mudança de horários dos proprietários dentro e fora de casa (o que pode fazer com que o animal tenha que passar mais tempo sozinho).

Veterinária teve problemas com cadelas

Mesmo lidando diariamente com animais, a médica veterinária Regina Mota teve problemas ao tentar impor limites a seus cães, as schnauzers Bruna, de dez meses de idade, e Bionda, de oito. Trabalhando o dia todo e sem condições de ficar em casa tempo suficiente para educá-las, Regina optou por uma escola de adestramento.

?Eu achava que minhas cadelas tinham um comportamento muito infantil e queria que elas fossem um pouco mais educadas. Elas ficavam pulando nas pessoas e latiam bastante, o que muitas vezes me incomodava. Então, no início deste mês, decidi levá-las para adestramento?, conta.

A mudança de comportamento de Bruna e Bionda foi considerada bastante visível. A veterinária revela que elas apresentaram progressos logo na primeira semana. ?Elas se mostravam bem menos eufóricas e já até aceitavam alguns comandos. Eu também participo do adestramento e descubro como me relacionar melhor com elas, aprendendo o que posso ou não falar e em que tom?. (CV)