O grupo extremista Estado Islâmico perdeu 22% do território conquistado nos últimos 15 meses, de acordo com uma análise do Monitor de Conflitos da IHS. Segundo a consultoria, entre janeiro e dezembro do ano passado, os ataques das forças aliadas recuperaram 14% das áreas tomadas pelos extremistas. De janeiro a março, outros 8% foram recuperados.

Os avanços ocorreram tanto nos frontes liderados pela oposição curda e pelas Forças Democráticas Sunitas da Síria (SDF, na sigla em inglês), que recebem apoio aéreo dos Estados Unidos e da Rússia, como das forças do regime de Bashar Assad.

Segundo a consultoria, o último avanço territorial do Estado Islâmico aconteceu em junho de 2015, quando o grupo tomou as cidades de Palmyra e Ramadi. Estas conquistas, no entanto, vieram às custas de grandes porções de território no norte da Síria, incluindo a região fronteiriça de Tal Abyad, perto da Turquia. Após esses eventos – e com os campos de petróleo da organização sendo atacados pelos norte-americanos e pelos russos – “a organização passou a emitir sinais de dificuldades financeiras, como a elevação de impostos e o corte nos salários dos soldados”, afirma, em nota, o IHS. Marcelo Osakabe – marcelo.osakabe@estadao.com)