O secretário de Estado do Papa Bento XVI beatificou hoje um jovem esloveno morto por comunistas do seu país durante a Segunda Guerra Mundial. Alojzij (Lojze) Grozde, que morreu com apenas 20 anos, é o primeiro mártir beatificado no país de maioria católica, que foi governado pelo partido comunista até sua independência, em 1991.

Tarcisio Bertone, o secretário de Estado do Vaticano, declarou Grozde um mártir da fé em uma missa para milhares de eslovenos. Grozde foi capturado por membros do partido comunista em janeiro de 1943, sob a suspeita de colaboração com os nazistas. Seu corpo mutilado foi encontrado depois de um mês em uma floresta. A beatificação é um passo rumo à canonização. Um beato pode ser venerado em culto particular ou, em sua região ou congregação, em culto público.