A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, controlada por uma maioria republicana, aprovou nesta quarta-feira um projeto que enfraquece a lei Dodd-Frank, que estabeleceu regras mais rígidas para o mercado financeiro depois da crise de 2008. Ele deve ser votada agora no Senado.

Este é um entre vários projetos que o presidente Barack Obama prometeu vetar caso chegue à Casa Branca. No entanto, a casa aprovou a lei por 271 votos favoráveis e 154 contrários.

O projeto altera algumas partes da lei Dodd-Frank, de 2010. Entre os principais pontos, ela estende até 2019 o prazo para os bancos se ajustarem a partes da chamada “regra Volcker”, que os proíbe de negociar títulos mobiliários, derivativos e outros instrumentos financeiros com seu próprio capital e restringe suas relações com fundos de hedge e private equity. A regra limita apostas mais arriscadas por parte dos bancos, algo que ajudou a disparar a crise financeira de 2008.

Deputados republicanos tentam há anos derrubar a lei Dodd-Frank. O partido acredita que ela representa uma expansão excessiva da autoridade regulatória e que isto diminui a competitividade da indústria financeira.

Em um debate na noite de terça-feira deputados democratas afirmaram para um plenário vazio que o movimento significava uma ajuda aos maiores bancos do país, que detém a maior parte dos ativos em questão.

Segundo democrata Maxine Waters, este é “um presente para um punhado dos maiores bancos de Wall Street.”

Autor do projeto, o deputado republicano Michael Fitzpatrick argumentou que ele apenas faz “reformas técnicas e úteis”. A nova regra “ajuda a refrear a sanha dos reguladores de Washington” e ajudaria donos de pequenos negócios a criara mais postos de trabalho, disse Fitzpatrick. Fonte: Associated Press.