Familiares das vítimas dos piores ataques terroristas da histórica dos Estados Unidos se reuniram nesta quarta-feira para lembrar o 12º aniversário dos atentados de 11 de Setembro de 2011.

Os ataques em Nova York e em Washington mataram cerca de 3 mil pessoas, levaram a uma longa guerra no Afeganistão e elevaram os poderes de vigilância do governo norte-americano, fato que continua a ser tema de debate até hoje.

Na cerimônia, realizada nas proximidades de Wall Street, em Nova York, as pessoas leram os nomes das vítimas de dois aviões sequestrados que atingiram o World Trade Center, o que resultou no desmoronamento das Torres Gêmeas.

O presidente Barack Obama fez um momento de silêncio na Casa Branca e participou da cerimônia em Washington, no Pentágono, que foi atingido por outro avião sequestrado.

“Não importa quantos anos se passem, nesta época do ano é sempre a mesma coisa”, disse Karen Hinson, que perdeu seu irmão de 34 anos, Michael Wittenstein, em Nova York. Seu corpo nunca foi encontrado.

Mantendo a decisão tomada no ano passado, nenhum político fará discursos. Em todo o mundo, milhares de voluntários prometeram fazer boas ações em homenagem à data, que passou a ser conhecida como Dia Nacional de Serviço e Lembrança em 2009.