O governo dos Estados Unidos está dando uma resposta maciça em apoio ao Haiti, devastado ontem por um terremoto de 7 graus na Escala Richter, enviando navios, helicópteros, aviões de transporte e 2.000 fuzileiros navais que já estão a caminho do país caribenho ou estarão em breve, disse o general Douglas Fraser, chefe do Comando Militar Sul. O general afirmou que os EUA já enviaram o porta-aviões USS Carl Vinson, que partiu hoje de Norfolk, na Virgínia, e deverá chegar amanhã no Haiti. Segundo ele, outras forças militares estão em alerta, incluída uma brigada de 3.500 soldados.

Fraser afirmou, em coletiva de imprensa com outros oficiais norte-americanos, que o Pentágono está “considerando seriamente” o envio de milhares de fuzileiros navais para ajudar nos trabalhos de auxílio às vítimas e também na segurança no Haiti. O presidente dos EUA, Barack Obama, prometeu, pouco antes, montar uma força de resgate e de esforço humanitário para ajudar o povo do Haiti a superar uma tragédia “cruel e incompreensível”.

O contingente inicial de 2 mil fuzileiros navais poderá ser despachado para o Haiti nos próximos dias, para ajudar tanto na distribuição de suprimentos quanto nos resgates, além das tarefas de manter a ordem e a segurança, ao lado dos soldados da Organização das Nações Unidas (ONU) que já estão no país caribenho, afirmou Fraser.

O objetivo dos militares será manter a paz no cenário devastador após o terremoto, como parte um esforço maior das Nações Unidas, cujo quartel-general no Haiti foi destruído. Acredita-se que pelo menos 100 funcionários da ONU estejam soterrados nas ruínas do prédio.

“Será uma avaliação nossa determinar, em conjunto com a missão das Nações Unidas e outros parceiros internacionais lá, como será melhor lidar com as situações de segurança que poderão aparecer”, disse Fraser. “Nós não sabemos com precisão qual é a situação no local”, disse o militar.

Aeroporto

O general afirmou que foram despachados de maneira imediata 30 militares norte-americanos de Miami a Porto Príncipe para ajudar nos trabalhos de resgate e ajuda humanitária. Dois aviões C-130 levaram engenheiros, especialistas em telecomunicações e um grupo de controle. A Força Aérea dos EUA enviou controladores de tráfego aéreo para o aeroporto de Porto Príncipe. O navio hospital USNS Comfort também está de prontidão em Baltimore.

Fraser contou que o estado do aeroporto de Porto Príncipe é considerado “operacional”, mas que a torre de controle e algumas instalações ficaram danificadas. Quatro norte-americanos feridos no terremoto já foram retirados do Haiti e levados para a base naval de Guantánamo, em Cuba.