A Roust, uma das maiores fabricantes mundiais de vodca, entrou com um pedido de proteção judicial, previsto no capítulo 11 da lei de falências norte-americana, para executar um acordo de reestruturação de dívidas já negociado com os credores.

A Roust relatou ativos de US$ 1 bilhão a US$ 10 bilhões e dívidas de US$ 500 milhões a US $ 1 bilhão em sua petição do capítulo 11, arquivada na sexta-feira no Tribunal de Falências dos EUA em White Plains, Nova York. O plano de falência pré-organizado da Roust, com o qual credores concordaram antes que o pedido fosse arquivado, prevê que a fabricante de vodca e importadora de bebidas alcoólicas corte cerca de US$ 462 milhões em dívidas.

Segundo os documentos, o plano, que está sujeito à aprovação do tribunal de falências em uma audiência na próxima semana, deixaria a Roust sob propriedade majoritária das empresas por trás da marca de vodca Russian Standard, controlada pelo empresário russo Roustam Tariko.

O capítulo 11 da lei de falências norte-americana permite a uma empresa com dificuldades financeiras continuar funcionando normalmente. A proteção do capítulo 11 pode ser requerida pela empresa em dificuldades ou por um de seus credores. Este procedimento significa uma vontade de reestruturação da companhia, sob o controle de um tribunal.

A apresentação da petição marca um retorno da Roust, anteriormente chamada Central European Distribution Corp (CEDC), ao tribunal de falências. A CEDC já havia pedido falência pré-organizada em abril de 2013.

A Roust busca uma passagem rápida pela proteção do capítulo 11 desta vez. Documentos do tribunal informam que uma audiência em 6 de janeiro está programada no plano de reestruturação.

O prazo curto se deve ao fato de que “o capítulo 11 é um conceito alheio aos funcionários, fornecedores e provedores de crédito não-americanos de Roust”, segundo os documentos do processo. A Roust acrescentou que “falência é percebida como um evento extremamente negativo em países como Rússia, Polônia e Hungria”, onde está a maior parte das operações da empresa.

Outro motivo para a rapidez no processo, de acordo com os documentos, são os “significativos” pagamentos de impostos especiais de consumo que a Roust deve fazer às autoridades russas e polonesas em janeiro de 2017. A Roust conta com uma venda planejada de US$ 55 milhões em novas ações da empresa reestruturada para ajudar a financiar esses pagamentos. Fonte: Dow Jones Newswires.