O ex-ministro da Economia do presidente François Hollande, Emmanuel Macron, afirmou nesta quarta-feira que pretende correr à presidência na próxima eleição.

Em uma tentativa de surfar o sentimento de rejeição do eleitorado ao sistema político que, segundo ele, também foi responsável pela eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, Macron afirmou que as regras políticas na França bloquearam o país e o retiraram do caminho para o progresso. Ele pediu por uma “revolução democrática” e acrescentou que não irá tentar unificar partidos à direita ou à esquerda.

“Nos próximos meses até a eleição presidencial, temos uma oportunidade de recusar o status quo e avançar”, disse.

O anúncio do ex-ministro encerra um longo período de falso suspense após ele fundar seu próprio movimento político, o En Marche, em abril, citando frustrações com a inércia do Partido Socialista e do governo de François Hollande.

Macron, que fez carreira em um banco de investimento, advoga fortes mudanças na lei trabalhista francesa para acabar com privilégios de certas elites e criar postos de trabalho para milhões de pessoas que vivem à margem da sociedade francesa. Fonte: Dow Jones Newswires.