Salim Hamdan, ex-motorista do líder da rede terrorista Al-Qaeda, Osama bin Laden, será transferido para um centro de detenção no Iêmen, disse na segunda-feira (24) um alto funcionário da Defesa dos Estados Unidos. Hamdan ficou mais de cinco anos detido na prisão instalada na base naval de Guantánamo, em território cubano. Hamdan, de 40 anos, foi considerado culpado por ajudar a Al-Qaeda e condenado a cinco anos e meio de prisão.

Ele poderia sair da cadeia em janeiro, incluindo o tempo cumprido no centro de detenção de Guantánamo. O funcionário, que falou sob condição de anonimato, disse que o resto da sentença será cumprida no Iêmen, país natal do preso. Um júri formado por seis militares condenou Hamdan, no primeiro julgamento por crimes de guerra realizado em Guantánamo, no início do ano. Ele já estava preso havia cinco anos em um mês.

O réu foi culpado de apoiar o terrorismo. Porém, foi absolvido das acusações de fornecer foguetes à Al-Qaeda e de supostamente participar de planos de rede terrorista para atacar os Estados Unidos. Ele poderia pegar prisão perpétua, e a sentença foi considerada uma derrota da promotoria militar, que o apontava como um experiente rebelde da Al-Qaeda. Funcionários do Pentágono chegaram a insinuar que poderiam reter o acusado indefinidamente, independentemente da condenação imposta.