Pequim – Um ex-membro do Parlamento chinês foi condenado à morte por violentar cerca de 20 garotas com idades entre 12 e 16 anos, informou hoje o site chinês sina.com.

Trata-se de Wu Tianxi, de 61 anos, um multimilionário empresário agrícola que esteve na Assembléia Nacional do Povo entre 1998 e 2003, e que foi condenado também por outros crimes, entre eles, "formação de quadrilha", disse o site.

Segundo o Tribunal de Nanyang, na província de Henan, região central da China, Tianxi seqüestrou e abusou de garotas após um vidente ter dito a ele que caso tivesse relações sexuais com mulheres virgens seus negócios melhorariam.

Alguns cúmplices dos abusos do ex-parlamentar foram condenados a penas de 6 meses a 20 anos de prisão, acrescentou o site.

A China é o país que mais aplica execuções no mundo. Segundo grupos humanitários internacionais, cerca de 8 mil pessoas são condenadas à morte por ano no país.

Desde o início de 2007, o tribunal Supremo da China deve ratificar todas as condenações à morte no país, isso após ter sido aprovada uma reforma motivada por críticas internacionais e escândalos pela execução e o uso indiscriminado da tortura no país.