O governo de Taiwan irá enviar uma delegação de representantes para a cerimônia de posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, que será chefiada pelo ex-primeiro-ministro Yu Shyi-kun, em um gesto que pode causar descontentamento em Pequim e gerar novos atritos entre as duas maiores economias do mundo.

Yu liderará um grupo de parlamentares e autoridades de governo dos dois principais partidos do país, afirmou o Ministério de Relações Exteriores. A delegação pretende “expressar a importância que nosso governo nosso povo colocam sobre as relações bilaterais” com os EUA, disse a pasta.

Além da cerimônia, a delegação também deve se encontrar com políticos, acadêmicos e representantes da comunidade chinesa no exterior.

“As relações entre os EUA e Taiwan tem um longo histórico e fizeram progresso significativo nos últimos anos”, afirmou o Ministério, em nota. Ao congratular Trump, o comunicado afirmou que o governo pretende “continuar a fortalecer a relação entre os dois países na base da confiança mútua”.

Em deferência à China, os EUA não mantém relações formais com Taiwan, que advoga sua independência em relação a Pequim. No entanto, Taipei e Washington tem laços informais robustos. Os EUA vendem armas aos taiwaneses e são legalmente obrigados a acolher qualquer ameaça à ilha como uma preocupação grave.

Nas últimas semanas, por outro lado, Trump tem ignorado a abordagem norte-americana das últimas décadas ao mostrar mais proximidade com os líderes taiwaneses. Os gestos geraram reação na China. Na segunda-feira, o Ministério de Relações Exteriores da China afirmou que o “princípio de uma China” não é negociável. Fonte: Associated Press.