O tribunal militar de Túnis condenou o ex-presidente tunisiano Zine El Abidine Ben Ali a 20 anos de prisão por “incitação a desordem, mortes e pilhagens em território nacional”, segundo divulgou a agência de imprensa “TAP”.

Julgado enquanto estava foragido, já que fugiu em 14 de janeiro de 2011, o ex-presidente tunisiano foi considerado envolvido no caso da morte de 4 jovens atingidos por tiros quando tentavam deter um sobrinho de Ben Ali na madrugada do dia 15 para 16 de janeiro do 2011.

Quinze membros das forças de segurança, alguns também foragidos, foram condenados a penas de entre cinco e 10 anos de prisão pelo mesmo tribunal. As famílias das vítimas serão indenizadas com quantias entre 75 mil e 100 mil euros.

Ben Ali acumula uma pena total de 66 anos de prisão por outros crimes como tráfico de drogas, desvio e abuso de bens públicos. O ex-presidente e sua mulher, Leyla Trabelsi, são alvo de uma ordem de detenção internacional emitida desde sua fuga para a Arábia Saudita, embora o país não queira entregá-los.