O ex-presidente da Guatemala, Alfonso Portillo, foi absolvido ontem da acusação de apropriar-se indevidamente de US$ 15 milhões dos fundos de defesa durante seu mandato (2000-2004) por um tribunal do país.

O tribunal também absolveu o ex-ministro da Defesa Eduardo Arevalo Lacs e o ex-ministro das finanças Hiram Maza Castellanos, que enfrentaram acusações similares do Estado e da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala.

A juíza Patricia Deras anunciou a decisão ordenando que os três fossem soltos, embora ainda estejam proibidos de deixar o país. Portillo, de 59 anos, ainda é acusado de lavagem de dinheiro nos Estados Unidos, que pedem sua extradição.

Após o fim do seu mandato em janeiro de 2004 com grande apoio público, especialmente da base direitista, o ex-presidente fugiu para El Salvador no mês seguinte por causa das acusações de corrupção. Depois foi para o México em 2005, quando perdeu sua imunidade judicial. As autoridades mexicanas o extraditaram para a Guatemala em outubro de 2008. As informações são da Associated Press.