O ex-presidente da Libéria, Charles Taylor, apareceu hoje perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) pela primeira vez desde o início do processo no qual responde por atrocidades cometidas durante a guerra civil em Serra Leoa. Taylor não explicou o motivo pelo qual resolveu comparecer à audiência depois de ter boicotado outras sessões do julgamento. Ele chegou 20 minutos atrasado à audiência realizada na sede do tribunal da Organização das Nações Unidas (ONU) em Haia, Holanda.

Em seu único pronunciamento durante a sessão, Taylor declarou-se inocente das acusações de manter mulheres em regime de escravidão sexual, um crime contra a humanidade, e de acobertar seqüestros, estupros e uso de mulheres e adolescentes como escravas sexuais. Taylor se diz inocente das 11 acusações de que controlava os rebeldes que lutaram na guerra civil de Serra leoa que durou dez anos e terminou em 2002.