O ex-prisioneiro cubano Juan Carlos Herrera Acosta afirmou hoje que o ex-líder de Cuba Fidel Castro deveria enfrentar um tribunal internacional para julgá-lo por supostos crimes cometidos contra seu próprio povo. Segundo Acosta, as prisões de Cuba são locais “apocalípticos”, onde pessoas inocentes são assassinadas.

Acosta passou 12 anos na cadeia em Cuba e afirma ter sido torturado. O dissidente foi parte de um grupo de prisioneiros políticos libertados em agosto, após negociações entre a Igreja Católica e o governo comunista cubano. Agora, ele está exilado na Espanha.

Acosta pediu à Polônia e a outros países da União Europeia que pressionem Cuba por causa de seus problemas na área de direitos humanos. Ele esteve em Varsóvia nesta quinta-feira, a convite de parlamentares poloneses. A Polônia é um país que já foi comunista, mas abandonou esse regime há 20 anos.