A organização extremista Estado Islâmico do Iraque, braço da rede Al-Qaeda no país, declarou hoje “toque de recolher” em todo território iraquiano para impedir a realização das eleições legislativas de domingo. Segundo o Site Intelligence Group, organização privada com sede nos Estados Unidos, que estuda os grupos extremistas islâmicos e as mensagens postadas na internet, o anúncio do toque de recolher “saiu em um comunicado emitido em fóruns jihadistas no dia 5”.

“O líder do Estado Islâmico no Iraque, Abu Omar al-Baghdadi, tinha ameaçado dar uma resposta às eleições e, em discurso divulgado no dia 12, disse que seu grupo impediria as eleições por todos os meios possíveis, principalmente pelos militares”, diz o site Intelligence Group. Em panfletos distribuídos na província de Diyala, a noroeste de Bagdá, o Estado Islâmico do Iraque advertiu os iraquianos que eles correm o risco de ser mortos se forem votar.

O “toque de recolher” estará em vigor das 6 horas às 18 horas de amanhã (horário local). No comunicado citado pelo site, o Estado Islâmico do Iraque diz que “as eleições só trarão prejuízo para os sunitas e darão aos xiitas um mandato para exercer o poder”.

Atentados suicidas mataram pelo menos 33 pessoas em Baquba, capital de Diyala, anteontem. Ataques em Bagdá, principalmente contra soldados e policiais que votaram antes, mataram 12 pessoas e feriram 35 ontem. As forças de segurança proibiram o trânsito de veículos das 22 horas de hoje até a madrugada de segunda-feira para tentar impedir atentados no dia da eleição. As informações são da Dow Jones.