As Forças Armadas de Israel realizaram mais de 40 ataques aéreos contra a Faixa de Gaza durante a madrugada deste sábado (10). Segundo informações da BBC, militares israelenses justificaram os ataques alegando que os alvos dos bombardeios eram túneis usados para contrabandear armas e locais destinados ao lançamento de foguetes contra Israel. Não foi divulgado se houve novas vítimas fatais ou feridos.

No início da terceira semana de ofensiva israelense contra o grupo islâmico Hamas, as tropas de infantaria de Israel também teriam avançado e trocado tiros com palestinos nas proximidades da Cidade de Gaza. Ainda de acordo com a BBC, não houve relatos de que foguetes palestinos tenham sido lançados contra Israel durante a madrugada, o que teria acontecido na manhã de hoje, com vários deles atingindo áreas desabitadas.

Fontes de hospitais em Gaza afirmaram à agência britânica que quase 800 palestinos já morreram nas operações israelenses. Já o governo de Israel afirma que os conflitos, iniciados no último dia 27, causaram o óbito de 13 israelenses. Hamas e Israel rejeitaram a resolução de cessar-fogo aprovada ontem (9) pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Ao defender o fim do “círculo vicioso de provocação e resposta”, a alta comissária para os Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Navi Pillay, afirmou que ambas as partes do conflito devem assegurar a integridade dos feridos e evitar os ataques a voluntários de organizações humanitárias, hospitais e ambulâncias, o que poderia constituir crimes de guerra.