O principal grupo insurgente da Colômbia negou hoje que tenha dado dinheiro para a campanha eleitoral do atual presidente do Equador, Rafael Correa, em 2006 – e também afirmou nunca ter contribuído com dinheiro para campanhas eleitorais em qualquer um dos países vizinhos. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), de esquerda, também denunciaram a “invasão militar ‘gringa'” na Colômbia, em referência a um acordo militar que está para ser aprovado entre os governos da Colômbia e dos Estados Unidos e que permitirá aos norte-americanos ampliar sua presença militar na Colômbia.

As Farc alegaram que um vídeo entregue à Associated Press no começo deste mês foi manipulado e falsificado por Bogotá e Washington. O vídeo mostra o número dois das Farc lendo uma carta na qual contribuições financeiras à campanha de Correa são mencionadas. Correa também nega ter recebido dinheiro da guerrilha.