Um albanês que vive em Nova York foi preso enquanto se preparava para viajar ao Paquistão para juntar-se a um grupo radical islâmico que planeja ações contra alvos norte-americanos, informou ontem o Ministério Público da cidade. O anúncio foi feito horas depois de as autoridades americanas alertarem para a possibilidade de um ataque terrorista às vésperas do aniversário de 10 anos dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Agron Hasbajrami, de 27 anos, foi acusado de fornecer apoio material a terroristas e poderá ser condenado a 15 anos de prisão. Ontem, ele alegou ser inocente diante de uma Corte federal no bairro do Brooklin. O indiciamento descreve o suspeito como um “perigo à comunidade”.

O albanês foi preso pelo FBI na terça-feira, no Aeroporto John F. Kennedy, enquanto se preparava para embarcar em um voo em direção à Turquia, onde, segundo a acusação, ele se encontraria com militantes que o ajudariam a chegar ao Paquistão. A intenção de Hasbajrami, segundo o inquérito de 11 páginas que o acusa de envolvimento com o terrorismo, era juntar-se a radicais islâmicos que combatem as Forças Armadas americanas no Afeganistão.

O suspeito, porém, mantinha contato com um militante que fornecia informações ao FBI. Os agentes da polícia federal americana prenderam o albanês quando ele chegava ao aeroporto, com um bilhete só de ida. Hasbajrami carregava uma barraca, botas e roupas de frio, supostamente para seu treinamento nas regiões montanhosas da fronteira entre Paquistão e Afeganistão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.