A principal coalizão oposicionista do Egito anunciou hoje sua rejeição ao referendo sobre a Constituição marcado pelo presidente Mohamed Mursi para o próximo dia 15 de dezembro.

Em uma nota lida por seu porta-voz, a Frente de Salvação Nacional ainda convocou protestos populares para a terça contra a Carta Magna aprovada pelo Congresso do país, sob o argumento de não há consenso e de que ela não representa adequadamente os direitos das mulheres e das minorias.

“Realizar um referendo neste momento, na ausência de segurança, reflete pressa e falta de senso de responsabilidade por parte do regime, que arrisca punir o país com confrontos violentos”, diz a nota.

“A Frente de Salvação Nacional rejeita o referendo a ser realizado em 15 de dezembro. Somos contra esse processo do início ao fim”, afirmou Hussein Abdel Ghani a jornalistas.

Os principais líderes da coalizão, como seu coordenador, o Nobel da Paz Mohamed ElBaradei, o ex-chefe da Liga Árabe Amr Moussa, e o ex-candidato presidencial Hamdim Sabbahi. não participaram da coletiva de imprensa.

Decretos

Ontem, o presidente determinou o fim dos decretos que lhe davam mais poderes, mas manteve as medidas tomadas no período em que eles estiveram em vigência, desde 22 de novembro. Dentre elas, está a nomeação de um novo procurador-geral, que é recusada pela oposição.