Quarenta e três pessoas morreram de hipotermia na Ucrânia nos últimos seis dias, informou o Ministério de Serviços Emergenciais nesta quarta-feira. O país sofre com uma intensa onda de frio. Além da Ucrânia, nevascas castigaram os Bálcãs, a Polônia, a Europa Central e a Itália nesta quarta-feira, provocando a morte de pelo menos 83 pessoas desde o final da semana passada.

A maioria das vítimas na Ucrânia, país que registrou maior número de mortos, é formada por sem-teto que congelaram até morrer nas ruas. Sete pessoas foram encontradas mortas em suas casas, e mais de 800 buscaram ajuda médica por sofrerem ulcerações causadas pelo frio e outros sintomas de hipotermia. Autoridades abriram 1.735 abrigos para fornecer comida e aquecimento, e planejam abrir mais 122. As temperaturas chegaram a -30º Celsius em algumas regiões. Todas as escolas em Kiev estarão fechadas até 5 de fevereiro, informaram as autoridades da cidade nesta quarta-feira. As férias fora de época podem ainda ser prorrogadas, disseram as autoridades. As autoridades russas informaram que uma pessoa morreu de frio em Moscou.

Na Sérvia e na Bósnia, helicópteros retiraram dezenas de moradores de vilarejos isolados pelas nevascas. Partes da costa do Mar Negro tiveram as águas congeladas no litoral da Romênia e nevou nas ilhas da Croácia no Mar Adriático, um evento raro. Na Bulgária, 16 cidades registraram recordes de temperaturas mínimas. Quatro pessoas morreram de hipotermia na Bulgária. Na Sérvia, helicópteros do exército retiraram pelo menos 12 pessoas de um vilarejo. Já morreram cinco pessoas na Sérvia nos últimos dias de hipotermia. “A situação é dramática e a neve se acumulou em até cinco metros em alguns lugares, você só enxerga os telhados das casas”, disse o médico Mirolad Dramacanin, que na Sérvia participou de uma missão de resgate nas montanhas.

Na Romênia, as temperaturas caíram hoje a -32,5 graus Celsius e seis sem-teto morreram de hipotermia, informou o Ministério da Saúde. Centenas de pessoas foram levadas a abrigos pelas autoridades. Na Polônia, cinco pessoas morreram de hipotermia, o que elevou a 20 o total de mortos pelo frio no país desde a sexta-feira passada.

Na Itália foi registrada uma morte por hipotermia, de um aposentado de 76 anos que tirava a neve com uma pá da calçada na frente de casa em Parma, no norte do país, informou a agência Ansa. Enquanto as regiões do norte enfrentam a neve, choveu bastante nesta quarta-feira no centro e no sul do país e nevou na região montanhosa da Basilicata, ao sul de Nápoles.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.