Sulaiman Abu Ghaith, o porta-voz carismático da Al-Qaeda, arrecadador de fundos e genro de Osama bin Laden, dever ter provavelmente um vasto acervo de conhecimento sobre a central de comando da rede terrorista, mas não informações muito úteis sobre as ameaças atuais ou enredos da organização, disseram funcionários de inteligência e outros especialistas.

Abu Ghaith se declarou inocente na sexta-feira de acusações de ter conspirado para matar norte-americanos em vídeos de propaganda, que alertaram sobre ataques adicionais contra os Estados Unidos como os devastadores atentados contra o World Trade Center e o Pentágono em 11 de setembro de 2001, que mataram cerca de 3.000 pessoas.

Considerado mais um player estratégico no círculo íntimo de Bin Laden, do que um conspirador operacional, Abu Ghaith seria o mais alto escalão da Al-Qaeda a ser julgado em solo norte-americano desde os ataques de 2001. Funcionários de inteligência dizem que ele pode ser capaz de lançar uma nova luz sobre o funcionamento interno da Al-Qaeda – relativa às relações obscuras da organização no Irã durante a última década, por exemplo – mas, provavelmente, ele tem poucos detalhes sobre ameaças específicas, ou iminentes, em curso.

Ele deu uma declaração de 22 páginas às autoridades norte-americanas depois de sua prisão, em 28 de fevereiro, na Jordânia, de acordo com os promotores, que não forneceram mais detalhes.

Barbudo e careca, Abu Ghaith falou pouco durante a audiência de 15 minutos na Corte Distrital dos EUA, em Nova York. Através de um intérprete, o juiz Lewis A. Kaplan perguntou se ele entendia seus direitos. Abu Ghaith concordou e disse: “sim”. Perguntado se ele tinha dinheiro para contratar um advogado, ele balançou a cabeça e disse que não. Ele também balançou a cabeça e disse sim quando foi perguntado se havia assinado uma declaração descrevendo a sua situação financeira.

Kaplan prometeu marcar a data do julgamento, quando o caso voltar ao tribunal no dia 8 de abril. A fiança não foi solicitada, e nenhuma foi definida. O advogado de Abu Ghaith se recusou a comentar o assunto após a audiência.

O fato de o réu estar sendo julgado na Corte Distrital é controversa em si mesma. Os republicanos estão criticando o governo do presidente Barack Obama de trazer Abu Ghaith para Nova York em vez de mandá-lo para os militares no centro de detenção na Baía de Guantánamo, em Cuba. As informações são da Associated Press.