O governo da Geórgia anunciou hoje que desmantelou uma rede de espionagem da Rússia e prendeu 13 suspeitos, incluindo quatro cidadãos russos. A notícia enfureceu Moscou, dois anos após as duas nações travarem uma breve guerra.

Um porta-voz do Ministério de Interior da Geórgia disse que os suspeitos, entre eles militares georgianos, estavam fornecendo informações secretas dos militares da Geórgia ao serviço de inteligência militar russo (GRU). Ele qualificou o fato como um “grande revés” para o GRU. Segundo ele, os serviços de segurança da Geórgia conseguiram se infiltrar na rede.

A Geórgia e a Rússia travaram uma breve guerra em agosto de 2008. Tropas russas invadiram o território da Geórgia a fim de repelir uma tentativa militar desse país de retomar a região rebelde da Ossétia do Sul.

A Rússia denunciou imediatamente as prisões. Um funcionário da chancelaria moscovita qualificou a postura de Moscou no caso como “profundamente enfurecida”. A fonte russa disse à agência de notícias Interfax que as prisões eram uma tentativa de prejudicar a reputação da Rússia antes de um encontro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Lisboa, entre 19 e 20 de novembro, com a presença do presidente russo, Dmitry Medvedev.

Relatos da imprensa sobre as prisões começaram a aparecer na semana passada, mas funcionários se negaram a comentar o caso até hoje, dia anual da celebração russa de seu serviço militar de inteligência. As informações são da Dow Jones.