Bogotá – O alto comissário colombiano para a paz, Luis Carlos Restrepo, afirmou nesta quarta-feira (16) que a "fórmula mais ágil" para o intercâmbio humanitário é que o grupo guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia diga ao governo "quais são os (guerrilheiros) presos que (as Farc) querem que sejam libertados", em troca dos 43 reféns políticos que ainda têm em seu poder.

Restrepo, em conversa com a emissora La FM, disse que se as Farc elaborarem esta lista o intercâmbio "poderá ser feito com muita rapidez".

O representante colombiano acrescentou que essa lista ajudaria a adiantar a análise legal de cada caso, mas explicou que não será possível libertar autores de crimes atrozes.

Restrepo também mencionou como possibilidade o diálogo com Rodrigo Granda, o chamado "chanceler das Farc", libertado pelo governo de maneira unilateral há alguns meses, e que está atualmente em Cuba.

"Perfeitamente poderemos nos encontrar em Cuba", disse Restrepo, aludindo a uma reunião na ilha. "Terminemos imediatamente este drama".