O vulcão da Islândia produziu uma nuvem de cinzas de 1.600 quilômetros na costa oeste da Irlanda, que fará com que os aeroportos ocidentais irlandeses fechem novamente amanhã, anunciou a Autoridade de Aviação da Irlanda. Segundo a autoridade, a mudança dos ventos, que atualmente vêm do norte, têm empurrado rapidamente as cinzas para uma enorme nuvem que está crescendo tanto em tamanho quanto em peso.

A Eurocontrol, que determina que rotas as empresas aéreas podem usar dentro e ao redor da Europa, afirmou que o acúmulo de cinzas representa um novo obstáculo à navegação porque a nuvem está gradualmente subindo para 35 mil pés (10,5 quilômetros), chegando à típica altitude de cruzeiro de voos transatlânticos. Nos últimos dias, as cinzas estavam abaixo dos 20 mil pés (6 quilômetros).

A Autoridade de Aviação irlandesa disse que as cinzas podem chegar à costa oeste do país na sexta-feira, forçando seis aeroportos a manter os aviões no chão durante a maior parte do dia. Porém, os aeroportos de Cork e de Dublin, no sudoeste, e de Waterford, no sudeste, permanecerão abertos. “As restrições são exigidas na medida em que um crescente nível de atividade vulcânica criou uma enorme nuvem de cinzas que tem 1.000 milhas (1.600 quilômetros) de comprimento e 700 milhas (1.126 quilômetros) de largura”, disse a autoridade em comunicado.

O alerta foi feito horas depois de as autoridades britânica e irlandesa declararem a liberação de seus espaços aéreos depois que a maior parte das cinzas ter sido empurrada para sudoeste da Escócia através da Irlanda na terça e quarta-feira, fechando aeroportos em todo esse perímetro. A Eurocontrol anunciou também nesta quinta-feira que planeja refazer as rotas de voo entre a Europa e a América do Norte para evitar voos sobre a nuvem de cinzas na costa oeste da Irlanda.

A erupção do Eyjafjallajokul, localizado a cerca de 900 milhas (1.500 quilômetros) a noroeste da Irlanda, não mostrou sinais de interrupção desde que começou a expelir cinzas no dia 13 de abril.