Um grupo de homens armados simpatizantes do governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, invadiu hoje o canal de TV Globovisión, de Caracas, segundo o diretor Alberto Federico Ravell. De acordo com ele, os invasores jogaram bombas incendiárias e gás lacrimogêneo no local, deixando duas pessoas feridas. A Globovisión é considerada pelo presidente venezuelano como uma emissora ligada à oposição ao seu regime político, foi acusada pelo governo de violar a Lei de Telecomunicações e está sendo investigada pela Justiça do país.

A invasão ao edifício da TV ocorreu após vários protestos de jornalistas pelo fechamento de 34 emissoras de rádio nos últimos dias. O governo venezuelano argumenta que os estabelecimentos operavam ilegalmente. No entanto, a oposição afirma que só foram fechados os meios de comunicação cuja linha editorial é crítica ao governo.

O diretor afirmou que o grupo era liderado pela esquerdista Lina Ron, ligada a Chávez. “Responsabilizamos o presidente pelo que ocorreu hoje e levaremos as coisas até as últimas consequências”, disse Ravell. A emissora distribuiu as imagens de suas câmeras de segurança, que mostram o grupo de homens armados com boinas vermelhas e bandeiras do partido UPV (União Patriótica Venezuelana, em espanhol), aliado de Chávez, quando entraram no edifício e lançaram as bombas.