O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) indicou hoje o ex-procurador para crimes de guerra da ONU, o advogado britânico Desmond de Silva, e duas outras pessoas, para investigar o ataque israelense de 31 de maio contra o Mavi Marmara, navio turco que transportava ativistas para a Faixa de Gaza.

Oito ativistas turcos e um turco-americano foram mortos no ataque à flotilha de ajuda humanitária. Ao advogado britânico, segundo um comunicado divulgado hoje, se juntarão o juiz de Trinidad e Tobago, Karl T. Hudson-Phillips, e a advogada malaia defensora dos direitos das mulheres, Mary Shanti Dairiam. Eles examinarão se Israel violou a lei internacional.

Israel recusou-se a cooperar com investigações prévias ordenadas pelo Conselho, composto por 47 países. Israel afirma que seus militares agiram em legítima defesa, após serem atacados por ativistas pró-Palestina.