A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, conclamou nesta segunda-feira (2) uma ação urgente dos árabes, dos israelenses e da comunidade internacional para interromper o atual ciclo de violência no Oriente Médio e avançar na direção de uma paz abrangente para toda a região. Hillary fez o comentário ao anunciar uma ajuda americana de US$ 900 milhões aos palestinos durante uma conferência iniciada nesta segunda-feira no balneário egípcio de Sharm el-Sheik para arrecadar fundos para o fornecimento de ajuda humanitária à população de Gaza e para resgatar a combalida economia palestina.

A chanceler americana não forneceu detalhes, mas ontem um porta-voz de Hillary disse que a ajuda consistiria em US$ 300 milhões em ajuda humanitária a Gaza e US$ 600 milhões para fomentar o desenvolvimento nos territórios palestinos. Hillary realiza no momento sua primeira viagem ao Oriente Médio na condição de secretária de Estado dos EUA.

Na abertura da conferência, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmud Abbas, pediu aos presentes que doem milhões de dólares para que seu governo reconstrua a devastada Faixa de Gaza, atualmente controlada pelo grupo islâmico Hamas. A conferência reúne os presidentes de Egito, Hosni Mubarak, e França, Nicolas Sarkozy, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e chanceleres de 45 países em uma tentativa de mostrar apoio à reconstrução de Gaza depois de uma ofensiva israelense na qual cerca de 1.300 palestinos morreram.

A meta é obter promessas de pelo menos US$ 2,8 bilhões de 80 doadores, entre países e entidades internacionais. Os doadores esperam que a campanha ajude a recolocar nos trilhos o processo de paz entre israelenses e palestinos.