A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, expressou nesta quinta-feira (30)  um apoio discreto ao diálogo liderado pelo regime egípcio com a Irmandade Muçulmana, grupo de caráter islâmico que é o principal movimento de oposição no país.

“Nós soubemos hoje que a Irmandade Muçulmana decidiu participar, o que significa que eles estão pelo menos envolvidos no diálogo que encorajamos”, observou Hillary, que está em viagem oficial pela Europa.

Hillary disse ainda que os EUA continuam tentando se aproximar da Irmandade Muçulmana por meio de “diálogos limitados”. “Com a evolução do panorama político no Egito, é do interesse dos EUA dialogar com todas as partes que se mostram pacíficas e não violentas”, afirmou.

Em resposta, a Irmandade Muçulmana declarou-se hoje aberta ao diálogo com os EUA, segundo anunciou um de seus porta-vozes, Mahmoud Ghozlan. “Desejamos encontros em um contexto de respeito”, afirmou.

“Há algum tempo, desaprovamos a política norte-americana de apoio aos ditadores em detrimento do povo da região. Os Estados Unidos são o país ocidental mais odiado pelos árabes por essa razão”, disse Ghozlan. “Mas, se os EUA querem realmente respeitar nossos valores e apoiar a liberdade, como dizem, nesse caso, não representam um problema para nós.” As informações são da Associated Press.