A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, prometeu nesta terça-feira (3) trabalhar ao lado do próximo governo de Israel, mas deixou uma mensagem clara que pode colocá-la em rota de colisão com o futuro líder israelense: os Estados Unidos estão comprometidos com o estabelecimento de um Estado Palestino independente. Hillary, em sua primeira visita ao Oriente Médio como chanceler americana, conversou com jornalistas antes de um encontro com o primeiro-ministro designado Benjamin Netanyahu, que é contra a independência dos palestinos.

O conservador Netanyahu foi incumbido de formar o governo depois de ter chegado em segundo lugar nas eleições gerais de fevereiro. Ao mesmo tempo em que manifestou apoio a um Estado Palestino, a chefe da diplomacia americana reafirmou o “inflexível” comprometimento americano com a segurança de Israel e defendeu o fim dos disparos de foguetes por milicianos palestinos.