Honduras retirou a queixa que havia apresentado contra o Brasil na Corte Internacional de Justiça, em Haia, na Holanda. A queixa acusava o Brasil de interferir em assuntos internos hondurenhos, ao permitir que o presidente deposto Manuel Zelaya ficasse na embaixada brasileira em Tegucigalpa, em 2009. O tribunal máximo das Nações Unidas informou hoje que Honduras pediu em 30 de abril o fim do processo. O pedido foi atendido no último dia 12.

O governo interino que assumiu o poder em Honduras após o golpe de Estado, liderado por Roberto Micheletti, apresentou a queixa contra o Brasil em outubro do ano passado, quando Zelaya estava na embaixada do Brasil na capital hondurenha. Naquela época, Zelaya, que hoje vive na República Dominicana, era considerado pelo Brasil como o presidente legítimo do país.