Milhares de imigrantes estavam reunidos na fronteira entre a Macedônia e a Sérvia neste domingo, depois que autoridades macedônias permitiram na tarde de sábado a travessia para o seu território. A medida deve aumentar a pressão sobre a Sérvia e a Hungria, países conhecidos como rotas de passagem de migrantes africanos e do Oriente Médio que tentam alcançar o norte da Europa.

Durante a noite, cerca de 40 ônibus privados levaram os migrantes provenientes das estações de trem em Gevgelija, perto da fronteira sul do país, para Tabanovce, na sua divisa com a Sérvia. Em condições normais, a condução leva cerca de duas horas para cobrir a distância.

As autoridades também contrataram, pelo menos, dois trens para atravessar o país. Nos últimos dias, na estação de Gevgelija, taxistas estavam disponíveis para levar as pessoas para o norte por cerca de 100 euros (US$ 114), de acordo com migrantes entrevistados no local.

Ao deixar que os migrantes entrem de forma relativamente livre, a Macedônia reverteu uma decisão no início desta semana de fechar efetivamente a fronteira com a Grécia, que deixava milhares de pessoas presas no lado grego em difíceis condições. As tensões aumentaram e a polícia usou a força para controlar as multidões na semana passada.

Em seguida, no sábado, os oficiais tentaram regular o fluxo de pessoas, mas os agentes foram rapidamente sobrecarregados e decidiram abrir a fronteira, permitindo que até duas mil pessoas atravessassem.

“No sábado, os migrantes [na fronteira sul] conseguiram colocar tanta pressão que eles entraram”, disse Ivo Kotevski, porta-voz do Ministério do Interior da Macedônia. “Mas nós não estamos deixando todos entrarem. Nós, não.”

De fato, as autoridades macedônias tentaram regular os fluxos de pessoas no domingo, permitindo a travessia de apenas cerca de 50 pessoas de cada vez. Entre 300 e 400 migrantes atravessaram a fronteira, até agora, de acordo com o ACNUR.

Mas o fluxo dos migrantes em direção à fronteira sul deve continuar, disse o governo e grupos macedônios de ajuda.

O número de migrantes, que fogem principalmente da guerra e da perseguição na Síria e no Iraque, subiu nos últimos meses, tornando a Grécia o principal ponto de entrada na União Europeia. Cerca de 142 mil migrantes chegaram por via marítima na Grécia desde 1º de junho, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações.

Segundo as Nações Unidas, cerca de 124 mil refugiados e migrantes chegaram à Grécia por mar, entre janeiro e julho deste ano, um aumento de 750% em relação ao mesmo período do ano passado. A grande maioria pretende atravessar o chamado corredor Balkan – uma área que se estende desde a Grécia até a Hungria – para atingir o norte da Europa.

Enquanto isso, na fronteira norte da Macedônia, autoridades sérvias estão permitindo a entrada de alguns imigrantes, que estão sendo transportados para um centro de acolhimento pela ONU, disse uma porta-voz. Ela não pôde confirmar o número de imigrantes autorizados.

Uma vez dentro de território sérvio, ônibus privados estão disponíveis para levá-los para Belgrado, capital da Sérvia. De lá, eles tipicamente avançam para a fronteira com a Hungria. Fonte: Dow Jones Newswires.