Só falta falar. Quantas vezes você, orgulhoso proprietário de um cãozinho, já não proferiu a frase aí de cima? Pode admitir. É só o cachorro fazer alguma gracinha ou dar demonstrações de esperteza para que alguém diga a sentença em alto e bom som. Pois saiba que há como realizar testes de Q.I. com os cães e obter resultados numéricos comprovando que você não é apenas um dono coruja. Eles são muito utilizados por adestradores e testam a capacidade do animal de aprender e de superar desafios. A opinião dos profissionais sobre o assunto diverge. Mas o certo é que, convenhamos, não dá para resistir à curiosidade de saber se o seu mascote vai tirar a nota máxima.

Os testes de Q.I. caninos são muito diferentes dos humanos. Mas, como estes, só avaliam uma parte da inteligência. São válidos. Mas não dá para ficar triste porque o bicho tirou nota baixa. Não há como dizer, por exemplo, que cães de corrida são burros. Afinal, eles foram selecionados para correr. Cada raça tem inclinação para algo – opina o veterinário Mauro Lantzman, especialista em comportamento animal.

O próprio teste serve como um estímulo para o cão

Sites na Internet dedicados a animais estão cheios de testes de Q.I.. Em sua maioria, eles reproduzem este aí de baixo, que faz parte do livro “A inteligência dos cães”, de Stanley Coren, editado no Brasil pela Ediouro. A publicação adverte que, para realizá-lo, o cão precisa ter no mínimo um ano.

Alguns itens são interessantes para saber o que estimula o seu cachorro. E, estimulando desde cedo, ele fica mais curioso e aprende a solucionar problemas – diz a adestradora Cláudia Pizzolatto da Lord Cão, cujo site ( www.lordcao.com.br ) tem teste de Q.I. com resultados de acordo com a idade do bicho.

TESTE 1

(Associação de idéias): Se você costuma sair com seu cão, simule um passeio. Se não, simule uma ação corriqueira de seu cão, como usar coleira. Em hora e lugar diversos do habitual, mostre a coleira a ele. Se o cão tiver interesse e correr até a porta ou na sua direção, dê 5 pontos. Se não, dê uma dica, como ir à porta. Se ele entender, 4 pontos. Se não, outra dica: vire a maçaneta, com barulho. Se ele entender, dê 3. Se só prestar atenção, dê 2. Se não fizer nada, dê 1.

TESTE 2

(Resolver problema):Pegue um petisco, agite-o perto do cão e deixe que o cheire. Ponha o petisco no chão e uma lata sobre ele. Estimule-o a pegar o petisco, com gestos e palavras. Se o cão derrubar a lata e pegar o petisco em até 5 segundos, dê 5 pontos. Se levar de 5s a 15s, dê 4. Até 30s, dê 3. Até 60s, dê 2. Se tentar duas vezes, mas não pegar a isca após um minuto, dê 1 ponto. Se não fizer esforço para pegá-lo, dê 0.

TESTE 3

(Memória visual): Escolha um lugar familiar ao cão. Sem ele ver, mude cinco objetos de lugar, de fácil acesso ao cão. Leve-o para o local, em silêncio. Se ele farejar um objeto trocado em 15 segundos, dê 5 pontos. Se demorar de 15s a 30s, dê 4. Se reagir entre 30s e 60s, dê 3. Se não explorar a mudança, dê 2. Se, após 1 minuto, o cão ignorar mudanças, dê 0.

TESTE 4

(Soluções de emergência): Faça o cão cheirar uma toalha. Use-a para cobrir a cabeça e parte do corpo dele. Observe em silêncio. Se o cão se livrar em até 15 segundos, dê 5 pontos. Se levar de 15s a 30s, dê 4. De 30s a 60s, 3 pontos. De 1 a 2 minutos, 2 pontos. Se não tirar a toalha após 2 minutos, dê 1.

TESTE 5

(Raciocínio visual):Quando o cão estiver a dois metros de você, olhe fixamente para ele. Assim que ele olhar para você, conte até 3 em silêncio e dê um grande sorriso. Se o cão vier até você abanando o rabo, 5 pontos. Se vier, mas devagar ou abanando o rabo só parte do caminho, dê 4. Se estava sentado e ficar de pé ou se estava deitado e se sentar, mas não andar até você, dê 3. Se o cão se afastar, 2. Se não prestar atenção, dê 1.

TESTE 6

(Vencer desafios): Mostre um petisco ao cão. Deixe-o cheirá-lo por 5 segundos. Com exagero, ponha-o no chão e, enquanto o cão observa, jogue a toalha aberta em cima do petisco. Estimule-o, com palavras e gestos, a pegar o petisco. Se o cão pegar o petisco em até 15 segundos, 5 pontos. De 15 a 30 segundos, 4. De 30 a 60 segundos, dê 3. De 1 a 2 minutos, dê 2. Se tentar apanhar o petisco, mas desistir, dê 1. Se nem tentar em 2 minutos, dê 0.

TESTE 7

(Memória imediata): Escolha local de tamanho médio, arrumado, com poucos objetos, familiar ao cão. Ponha uma guia no cão e faça-o sentar. Quando ele olhar para você, mostre um petisco de cheiro forte. Sem dizer nada, ponha o petisco num canto, quando o cão estiver olhando você. Leve-o para fora e dê uma volta de 15 segundos. Traga-o de volta à sala. Solte-o da guia e marque o tempo. Se o cão for direto ao petisco, ele memorizou bem: 5 pontos. Se farejar ao redor e achar o petisco, não fixou com exatidão onde estava o alimento: 4 pontos. Se procurar sem rumo, mas achar o petisco em até 45 segundos, mas usou o faro e a visão para achá-lo: 3 pontos. Se ele tentar, mas não achar após 45 segundos, dê 2. Se nem tentar, 1 ponto.

TESTE 8

(Memória de longo prazo): Deve ser aplicado logo após o teste 7 e no mesmo local. Prenda o cão à coleira e sente-o no centro da sala. Quando estiver olhando para você, mostre o petisco. Ele pode cheirar o alimento. Sem dizer nada, ponha o petisco num canto diferente do usado no teste 7. Observe se o cão está vendo. Leve-o para fora por 5 minutos e traga-o de volta. Solte-o. Se o cão for direto ao petisco, dê 5 pontos. Se for ao canto onde estava o primeiro petisco e depois ao certo: 4 pontos. Se cheirar ao redor e achar o petisco, dê 3 (usou faro e visão). Se procurar à toa, mas achar o petisco em até 45 segundos, dê 2. Se tentar achá-lo sem sucesso após 45 segundos, dê 1. Se nem tentar, dê 0.

TESTE 9

(Passar barreiras): Faça dois montes separados, com livros ou tijolos empilhados. Ponha uma tábua sobre eles, para fazer uma espécie de mesa, baixa o bastante para que o cão não enfie a cabeça debaixo dela, mas alta suficiente para pôr as patas. Ponha sobre a tábua livros pesados ou tijolos para que o cão não a derrube. Mostre-lhe um petisco e deixe-o cheirá-lo. Com gestos exagerados, ponha o petisco sob a mesa. Estimule o cão a pegá-lo, mas aponte o local. Se o cão usar as patas e pegar o petisco em até 60 segundos, 5 pontos. Se o pegar de 1 a 3 minutos, 4. Se usar só o focinho ou as patas, mas não pegar o petisco após 3 minutos, dê 3. Se não usar as patas e se contentar em cheirar ou tentar pegar e desistir, dê 2. Se, após 3 minutos, não tiver tomado iniciativa para pegar o petisco, dê 1.

TESTE 10

(Entender palavras): Com o cão deitado, a 2 metros de você, diga uma palavra à qual ele não esteja acostumado como “geladeira”. Faça o mesmo tom de voz que costuma usar para chamá-lo. Se o cão mostrar vontade de ir até você, reagiu ao tom de voz e não à palavra: 3 pontos. Se não vier, diga outra palavra a que ele não esteja habituado, como “filmes” no mesmo tom que usa para chamá-lo. Se ele for em sua direção, dê 2 pontos. Se ele não se manifestar, diga o nome dele e a palavra que usa para chamá-lo. Se ele vier ou tender a vir até você, 5 pontos. Se não, chame-o mais uma vez. Se vier, 4. Se não, 1.

TESTE 11

(Entender comandos): Esse teste leva mais tempo (10 minutos). O cão é induzido a levantar-se da posição sentado, dar um passo à frente, dar meia-volta para ficar de frente a você e sentar-se de novo. O cão deve estar sentado, do seu lado esquerdo, com coleira. 1) Com voz clara, dê uma ordem que o cão não conheça, como “frente”, e dê tapinhas nas pernas dele, acima dos joelhos. 2) Guie-o para ficar na posição frente: dê um passo à frente com o pé esquerdo, e puxe a guia, em sentido horizontal diante da cabeça dele, para que levante e avance dois passos. 3) Dê um passo atrás com a perna direita, puxando a guia para obrigá-lo a virar para você. Elogie o cão e/ou dê-lhe um petisco. Ponha-o de novo sentado ao seu lado esquerdo e repita o exercício nas etapas 2 e 3. Etapas 4 e 5: iguais à 1, 2 e 3, só que você deve dar uma pausa de 1s após a ordem “frente” e depois deslocar o cão na posição “frente”, usando o menor ou nenhum movimento. Etapa 6: dê a ordem “frente” e observe. Se ele sair do seu lado e for para a posição “frente”, 6 pontos e teste encerrado. Se ele não se mexer após 5 segundos, guie-o ao lugar certo e recompense-o. Repita 10 vezes as etapas 4 e 5 e depois dê a ordem “frente” e observe. Se o cão executar a manobra toda, dê 5 pontos. Se não, faça mais 10 vezes, diga “frente” e observe. Se o cão executar o exercício sem ajuda, dê 3 pontos. Se o cão der a volta até sua frente, sem sentar, dê 2. Se ficar de pé sem sair do lugar, dê 1. Se ficar sentado, 0.

TESTE 12

(Situações difíceis): Pegue um papelão bem alto e corte uma fenda vertical, com 8 cm de largura, 5cm de margem acima e abaixo.Faça o papelão ficar em pé, prendendo-o com fita adesiva em “paredes” laterais (duas caixas ou cadeiras, deitadas de lado). Ponha o cão diante do papelão, que funcionará como barreira. Estimule-o a olhar pelo buraco. Com gestos exagerados, introduza um petisco pelo buraco e ponha-o no chão a uma distância que o cão não possa alcançá-lo. Solte o cão e estimule -o com gestos e palavras a pegar o petisco. Se o cão contornar o papelão e pegar o petisco em até 15 segundos, dê 5 pontos. Se levar entre 15 e 30 segundos, dê 4. De 30 a 60 segundos, dê 3. Se pegar o petisco após 60 segundos, pare de estimulá-lo e fique calado por perto. Se pegar o petisco em até 2 minutos, dê 2. Se tentar alcançá-lo, enfiando a pata através do buraco e desistir, dê 1. Se não fizer esforço após 2 minutos, dê 0.

RESULTADOS:

54 pontos ou mais: Cão brilhante. Um exemplar com esse nível de QI é raro. De 43 a 53 pontos: excelente, QI muito alto. De 42 a 47 pontos: QI médio superior. De 30 a 41 pontos: QI médio. Tem lampejos intermitentes mas seu desempenho é pouco inspirado. De 24 a 29 pontos: QI médio baixo, exige trabalho para fazê-lo entender o que queremos. De 18 a 23 pontos: QI muito baixo, dificuldade em se adaptar às expectativas do dono. Menos de 18 pontos: Cão deficiente em QI. Pode ser muito difícil conviver com ele.