O homem armado que matou cinco militares no Tennessee, Mohammod Youssuf Abdulazeez, de 24 anos, pode ter se radicalizado através de grupos terroristas mais tradicionais, e não do Estado Islâmico, segundo pessoas próximas à investigação.

Abdulazeez morreu em confronto com a polícia após atacar duas bases militares em Chattanooga, no Tennessee. A família dele disse que Abdulazeez, que nasceu no Kuwait e se naturalizou cidadão dos Estados Unidos, sofria de depressão e lutava contra as drogas e o álcool. Alguns dos escritos privados de 2013 dele continham lamentações sobre seus problemas e a possibilidade de se tornar um “mártir” como uma possível resposta, segundo as fontes.

O autor do atentado tinha um interesse pelo falecido clérigo Anwar al-Awlaki, mostram as investigações. O clérigo morreu durante um ataque com um avião não tripulado (drone) dos EUA em 2011. Segundo autoridades norte-americanas, ele havia sido um bem-sucedido recrutador de pessoas para cometer atos de extremismo.

Autoridades estão examinando um período de sete meses em 2014 quando Abdulazeez viveu na Jordânia, para ver se alguém o influenciou diretamente para cometer o ataque. Na Jordânia, o tio de Abdulazeez está detido sob custódia desde a sexta-feira, enquanto autoridades buscam mais informações sobre os vínculos do atirador com o país. Fonte: Dow Jones Newswires.