A Justiça uruguaia confirmou ontem a descoberta de um esqueleto inteiro em uma propriedade militar onde havia um centro de detenção e tortura durante a ditadura (1973-1985). A descoberta de um corpo havia sido anunciada na terça-feira. Antropólogos forenses devem remover os restos humanos, disse Ricardo Perciballe, procurador de crimes contra a humanidade.

O esqueleto está muito próximo do local onde foram encontrados, em 2005, os restos mortais de Fernando Miranda, pai de Javier Miranda – presidente da coalizão governista Frente Ampla -, que desapareceu durante a ditadura. Segundo dados oficiais, 192 pessoas desapareceram durante o regime militar. (com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.