O Ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, criticou nesta segunda-feira os Estados Unidos e Israel de não terem retirado da mesa a ameaça de uma ação militar contra Teerã,

Na sequência do acordo nuclear entre o Irã e as seis potências mundiais.

A agência de notícias oficial do Irã, IRNA, citou Zarif dizendo que a opção militar continua a ser uma ideia muito perigosa.

“A aplicação de força não é uma opção, mas uma imprudente e perigosa tentação”, disse Zarif. No entanto, Zarif acrescentou que “há pessoas que falam sobre aplicação ilegal e ilegítima da força para seus próprios propósitos”.

Ele chamou o acordo nuclear alcançado na semana passada de uma “vitória da diplomacia sobre a guerra e a violência”.

Zarif não destacou qualquer país específico, mas suas declarações foram feitas um dia depois do secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, afirmar durante uma visita a Israel que o

acordo não impõe limites sobre o que Washington pode fazer para garantir a segurança de Israel e de países árabes aliados aos EUA.

Carter disse também que no acordo “não há nada para impedir a presença de militares dos EUA e que continua sendo uma opção”.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, tem sido duramente crítico em relação ao acordo, afirmando que ele abre o caminho para o Irã construir armas nucleares que ameaçaria a existência de Israel e, consequentemente, diminuiria a segurança dos EUA e global. Ele também sugeriu fortemente que a ação militar continua a ser uma opção. Fonte: Associated Press.