O Irã tem “grandes meios para evitar” ou enfrentar qualquer possível ataque contra seu programa nuclear, disse hoje o ministro do Interior iraniano Mostafa Mohammad Najjar. “Estamos muito confiantes sobre nossas capacidades e nossos grandes meios de evitar (um ataque)”, disse ele, durante uma visita a Doha, onde assinou um acordo de segurança entre o Irã e o Catar, um importante aliado regional dos Estados Unidos.

“Não nos sentimos ameaçados. Se alguém tentar ameaçar nossa segurança nacional, vamos retaliar e os fazer lamentar sua ação”, disse ele. O Irã está num impasse com o Ocidente sobre seu programa nuclear, suspeito de ter como objetivo o desenvolvimento de uma bomba atômica, mas o país insiste que o propósito é pacífico. Israel não descarta atacar as instalações nucleares iranianas.

Najar disse hoje que o Irã trabalha no fortalecimento de suas relações com seus vizinhos árabes do Golfo Pérsico para “assegurar a segurança e estabilidade na região”. O acordo de segurança de seu país com o Catar tem como foco, principalmente, a questão do combate ao crime, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, bem como a proteção às suas fronteiras. O Catar, que mantém boas relações com o Irã, abriga a base aérea norte-americana de Al-Udeid e o campo de As-Sailiyah, que é o quartel-general do Comando Central norte-americano desde 2002.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, confirmou hoje que a primeira usina elétrica nuclear do Irã será inaugurada em 2010, segundo informações da agência de notícias RIA Novosti. O ministro de Energia russo, Sergei Shmatko, disse mais tarde que a construção da instalação em Bushehr está de acordo com o cronograma e que ela entrará em funcionamento em 2010, como previsto.

O diretor da Organização Iraniana de Energia Atômica, Ali Akbar Salehi, disse, no mês passado, que a instalação começará a funcionar na primavera deste ano (no hemisfério Norte). A Rússia assinou um contrato com o Irã em 1998 para concluir a usina de Bushehr, mas a data do início das operações foi adiada muitas vezes em razão de problemas financeiros e técnicos. As informações são da Dow Jones.