A agência nuclear iraniana deu início hoje a estudos para a construção de um reator de fusão nuclear experimental. Até onde se sabe, o Irã nunca promoveu nada além de pesquisa para a fusão nuclear, mas o país possui um programa de fissão nuclear que os Estados Unidos e seus aliados acreditam ser um meio para a construção de armas, acusação que o governo iraniano nega.

A fusão nuclear, processo que dá energia às estrelas, até o momento foi desenvolvida apenas como arma, produzindo explosões termonucleares de bombas de hidrogênio. Ela nunca foi usada para a geração de energia.

O vice-presidente do Irã, Ali Akbar Salehi, que também dirige a Organização de Energia Atômica do país, disse em conferência que um novo programa de pesquisa de sua agência foi criado com um orçamento inicial de US$ 8 milhões para conduzir pesquisa “séria” na área de fusão nuclear. Asghar Sediqzadeh, diretor do novo centro de pesquisa de fusão, afirmou que o Irã vai demorar dois anos para completar esses estudos e outros dez para projetar e construir um reator.

“A fase científica do projeto efetivamente começou hoje. Nós já contratamos 50 especialistas com essa finalidade”, disse ele, à rede de televisão estatal. O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) já aprovou quatro conjuntos de sanções contra o programa nuclear iraniano. O Irã nega que seu programa esteja voltado para a produção de armas.