O governo de Israel anunciou que acrescentou 20 assentamentos no território palestino ocupado da Cisjordânia a uma lista de comunidades judaicas que terão prioridade para receber ajuda econômica. O anúncio acrescenta uma nova complicação às negociações de paz com a Autoridade Nacional Palestina, que tomam como base a tese da restauração das fronteiras israelenses existentes em 1967.

Segundo o jornal israelense Haaretz, entre os assentamentos incluídos na lista estão comunidades localizadas fora dos principais blocos de terras árabes ocupadas que Israel pretende continuar controlando se e quando houver um acordo de paz com os palestinos. A maioria desses assentamentos tem vínculos com o partido nacionalista Pátria Judaica, que faz parte da coalizão de governo liderada pelo primeiro-ministro Binyamin Netanyahu.

As negociações de paz entre israelenses e palestinos foram retomadas na semana passada, por iniciativa dos EUA, depois de ficarem paralisadas por três anos. O principal obstáculo à retomada das conversações era a insistência de Israel em continuar a construir e expandir assentamentos judaicos em terras tomadas dos palestinos. As informações são da Dow Jones.