O governo israelense aprovou a construção de mais 1.600 residências para judeus em Jerusalém Oriental. O anúncio, feito hoje, pode causar embaraço a visita ao país do vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

O Ministério do Interior informou que as construções serão feitas no bairro de Ramat Shlomo, na parte da cidade que os palestinos querem como a futura capital de seu Estado independente. Israel anexou Jerusalém Oriental e se recusa a restringir as construções na área. Os palestinos e a comunidade internacional consideram as construções nessa área como assentamentos.

A decisão vem a público durante uma visita de Biden ao país, com a intenção de apoiar a retomada dos diálogos indiretos de paz entre israelenses e palestinos. Os dois lados concordaram nesta semana em retomar essas conversas, após 14 meses de impasse. Um porta-voz do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que não estava sabendo sobre o plano de construção.