O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, descartou hoje a possibilidade de pedir desculpas pelo ataque em maio a uma flotilha com ajuda humanitária que se dirigia à Faixa de Gaza. A ação resultou na morte de oito ativistas turcos e um norte-americano que também tinha cidadania turca.

“Israel não pode se desculpar porque seus soldados tiveram de se defender para evitar de serem linchados por uma multidão”, disse Netanyahu em entrevista transmitida pela emissora pública israelense.

Por causa do incidente, que aconteceu no dia 31 de maio, a Turquia chamou de volta seu embaixador em Tel-Aviv e cancelou três exercícios militares conjuntos que haviam sido planejados entre os dois países. Ancara também negou duas vezes permissão para que aviões militares israelenses usassem seu espaço aéreo. As informações são da Dow Jones.