Israel testou com sucesso hoje um míssil que teria capacidade de carregar uma ogiva nuclear e atingir o Irã, alimentando o debate público sobre notícias de que os principais líderes do país estariam debatendo um ataque militar às instalações atômicas de Teerã.

Apesar de líderes israelenses alertarem há tempos que um ataque militar é uma opção, uma intensa rodada de discussões públicas surgiu no fim de semana após a divulgação pelo jornal Yediot Ahronot de que o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, e o ministro da Defesa, Ehud Barak, são a favor de um ataque.

Hoje, o jornal Haaretz divulgou que Netanyahu está tentando convencer membros de seu gabinete sobre um ataque, apesar da complexidade da operação e da probabilidade de que isso desencadearia uma forte retaliação do Irã.

O lançamento do míssil hoje, a partir de uma base nas cercanias de Tel Aviv, aumenta as especulações de que uma ação israelense pode ser iminente. Uma autoridade da Defesa israelense disse que o Exército testou um “sistema de propulsão de foguete” em um exercício planejado há muito tempo. Ele pediu anonimato devido a restrições de segurança, e se negou a dar mais detalhes. Outras informações sobre o teste foram proibidas pelo Exército.

Relatos de fontes internacionais, entretanto, afirmam que o Exército testou um míssil Jericó de longo alcance, capaz de carregar uma ogiva nuclear e atingir o Irã. As informações são da Associated Press.