Funcionários italianos disseram que o governo expulsou dois marroquinos porque eles representavam uma ameaça à segurança nacional. A reportagem de uma revista semanal afirma que os dois pretendiam matar o papa.

O ministro do Interior emitiu uma ordem de expulsão em abril, citando razões de segurança nacional e supostos laços dos dois com terroristas islâmicos. O ministro disse que os dois – que estudaram na cidade universitária de Perúgia, na Úmbria – foram colocados num avião que partiu de Roma para Casablanca em 29 de abril. Um vídeo da polícia mostra os dois sendo conduzidos por policiais com máscaras.

A revista Panorama citou gravações feitas pela polícia de Perúgia, nas quais um dos dois marroquinos teriam dito que queriam assassinar o papa Bento XVI e ser recompensado com o paraíso. A polícia de Perúgia não se pronunciou sobre o assunto.