Uma jornalista holandesa contou neste domingo que foi detida pela polícia em uma cidade da região sudeste da Turquia, que tem predominância curda. No local, dezenas de pessoas morreram em novos confrontos entre forças de segurança do país e tropas curdas rebeldes.

Frederike Geerdink contou, em sua conta no Twitter, que foi detida na cidade de Yuksekova, juntamente com um grupo de manifestantes que formavam um escudo humano, na tentativa de acabar com a violência na região. Geerdink disse que seria interrogada por um procurador.

Um funcionário do governo confirmou que ela havia sido detida juntamente com 19 outras pessoas, por ter entrado ilegalmente em uma zona restrita e tomar parte nos protestos. O funcionário disse também que os membros do grupo foram levados para sua própria proteção. O funcionário, que falou sob condição de anonimato, acrescentou que uma investigação está em andamento.

Foi a segunda vez que a jornalista freelance, que faz reportagens principalmente sobre o problema entre o governo turco e os curdos, foi presa na Turquia. Ela foi detida em janeiro, e depois absolvida das acusações de envolvimento em propaganda para a causa dos rebeldes curdos, em abril.

Esta semana, um tribunal turco libertou da prisão dois jornalistas britânicos da agência Vice News, que foram presos sob acusações de terrorismo, ao fazerem reportagens em Diyarbakir, a principal cidade da região com predominância curda na Turquia. O assistente turco dos jornalistas, Mohammed Ismael Rasool, permanece preso enquanto se aguarda a conclusão de uma investigação. Os dois jornalistas já voltaram para a Grã-Bretanha. Fonte: Associated Press