A juíza distrital norte-americana Ellen Segal Huvelle ordenou que os Estados Unidos libertem o prisioneiro da Baía de Guantánamo Yasin Muhammed Basardh, um homem de 33 anos do Iêmen. A magistrada não divulgou a razão pela qual Basardh deveria deixa o presídio, mas afirmou que a decisão foi explicada durante a audiência fechada em seu tribunal, ocorrida nesta terça-feira. Basardh vem lutando há anos na Justiça para ser libertado.

Os EUA argumentam que ele é um combatente inimigo e por essa razão é mantido legalmente na prisão de Guantánamo, localizada em Cuba. Mas detalhes de seu caso são mantidos em segredo e não estão disponíveis para decisões judiciais. O porta-voz do Departamento de Justiça, Dean Boyd, disse apenas que o órgão está revisando a decisão do tribunal. O advogado de Basardh, Stephen Sady, defensor público no Estado do Oregon, disse que não podia fazer comentários sobre o caso porque a audiência ocorreu sob sigilo.