Funcionários britânicos disseram nesta quarta-feira que a funcionária legista que supervisionou a investigação sobre a morte da cantora Amy Winehouse pediu demissão do cargo, após ter tido a competência questionada. Os parentes da estrela da música, morta aos 27 anos em julho do ano passado, disseram que ainda absorvem as implicações da novidade. Em outubro de 2011, a vice legista Suzanne Greenway determinou que a cantora morreu em decorrência do consumo excessivo de bebidas alcoólicas após um período de abstinência. A demissão de Greenway abre o caminho para que uma nova investigação sobre a morte da estrela seja iniciada.

Greenway foi indicada para o cargo de vice legista assistente em Londres por seu marido, o médico legista Andrew Reid. Mas ela pediu demissão em novembro do ano passado, após as autoridades terem obtido a informação de que Greenway não era advogada registrada no Reino Unido por cinco anos, como a lei exige para que exercesse o cargo que ocupava. Ela foi advogada durante dez anos na Austrália, seu país natal.

Reid disse nesta quarta-feira que estava “confiante de que todos os exames foram feitos corretamente”, mas se ofereceu para fazer novos exames e investigações se a família da estrela pedir. Já a família de Winehouse disse que está tomando “conhecimento das implicações disso tudo e decidirá se são necessárias discussões posteriores com as autoridades”.

As informações são da Associated Press.