O governo da Líbia informou hoje que suas forças interceptaram dois barcos a oeste da capital Trípoli com um carregamento de armas do Catar que seria entregue aos rebeldes que lutam para derrubar Muamar Kadafi. “Depois de os franceses enviarem armas pelo ar para a rebelião, estamos testemunhando uma nova forma de carregamento de armas pelo mar”, disse o vice-primeiro-ministro, Khaled Kaaim. “Nós condenamos essas entregas porque seu objetivo é provocar confrontos entre os líbios e o caos no país”, afirmou ele. “Repetidas vezes advertimos o Ocidente que essas armas podem cair nas mãos da Al-Qaeda.”

O porta-voz do governo, Moussa Ibrahim, disse que dois barcos foram interceptados ontem, por volta das 23 horas (horário de Brasília), após receberem a carga de uma embarcação de bandeira tunisiana. Os barcos se dirigiam para Zanzur, que fica a cerca de 30 quilômetros de Trípoli.

Ibrahim disse a jornalistas, levados a um porto perto de Trípoli, que 11 rebeldes foram detidos. As embarcações não foram mostradas aos jornalistas nem as pessoas que estavam a bordo, mas parte da carga composta por armas, explosivos e munição foi exposta em caixas que indicavam que o armamento era originado do Catar.

Ele afirmou também que as armas foram “manufaturadas no Paquistão” e eram destinadas às Forças Armadas do Catar no Golfo Pérsico. O Catar foi o primeiro país a reconhecer o Conselho Nacional de Transição, sediado em Benghazi, leste líbio, como representante legal do país.

A França admitiu na quinta-feira que tem enviado armas para os rebeldes berberes nas montanhas Nafusa, a sudoeste de Trípoli, afirmando que elas são apenas uma forma de defender civis pacíficos das forças de Kadafi. As informações são da Dow Jones.