Um duplo ataque suicida a bomba matou 14 pessoas, entre elas Riyad al-Samarrai, chefe de grupo local armado sunita patrocinado pelos Estados Unidos, e feriu outras 25 na frente de um escritório de paramilitares sunitas contrários à Al-Qaeda em Bagdá, disseram testemunhas. Num primeiro ataque, um homem-bomba detonou os explosivos que carregava na entrada do escritório no bairro nortista de Azamaiyah. Uma multidão acorreu ao local para cuidar dos feridos e resgatar os mortos, quando outro suicida explodiu um carro-bomba a poucos metros de distância, segundo o porta-voz militar de Bagdá, brigadeiro Qassim al-Moussawil.

Uma testemunha relatou que o homem-bomba aproximou-se de al-Samarrai – um antigo coronel da polícia -, o abraçou e provocou a explosão. Os grupos paramilitares financiados pelos EUA – predominantemente combatentes sunitas que se voltaram contra a Al-Qaeda e são conhecidos como "conselhos do despertar" – têm recebido crédito pela diminuição da violência em todo o Iraque desde julho. Mas eles estão cada vez mais se tornando alvos de terroristas, com seus escritórios e barreiras de checagem sendo constantemente visados.