Responsável por promover e aglomerar apoio para as pautas de interesse do governo do Reino Unido na Câmara dos Comuns, a parlamentar conservadora Andrea Leadsom afirmou estar “absolutamente segura” de que “seria viável” a União Europeia conceder “um par de semanas a mais ou algo assim” em relação à atual data do Brexit, de 29 de março, se Downing Street precisasse dessa extensão de prazo para aprovar no Parlamento o acordo de retirada e os demais projetos de lei que devem reger a separação do bloco.

“Apesar de tudo, temos uma relação muito forte com os nossos amigos e vizinhos na União Europeia”, disse a legisladora, cuja função se chama oficialmente líder da Câmara dos Comuns, em entrevista à BBC que será exibida na íntegra no programa Newsnight, às 20h30 (de Brasília).

No entanto, quando questionada sobre se estaria admitindo que Londres adotará essa medida, Leadsom respondeu que “não necessariamente” o governo precisará do tempo adicional. “Eu acho que nós iríamos querer pensar cautelosamente sobre isso.”

Por fim, a conservadora disse sentir que o gabinete da primeira-ministra Theresa May conseguirá, sim, “com boa vontade e determinação” fazer os projetos de lei necessários passarem pelo Parlamento “a tempo”.